America Latina Jornalismo de investigação

100 mulheres participaram da Mediatón #EnResistencia

By on agosto 30, 2019

Colaboração. Jornalismo. Irmandade. Empoderamento. Aprendizagem. Equipa. Energia. Amor. Compromisso. Companheirismo. Paixão. Mudança.

Mediatón #EnResistencia – Día 1

Estas são algumas das palavras que as participantes usaram para descrever a sua experiência na primeira Mediatón #EnResistencia, organizada por Chicas Poderosas Argentina, com o apoio da Iniciativa Google Notícias.

Cem jornalistas, designers, programadores e profissionais de mídia de diferentes partes do país, de Jujuy a Terra do Fogo, se reuniram na cidade de Buenos Aires por dois dias para criar projetos jornalísticos multimídia sobre problemas sociais sub-representados.

A reunião ocorreu no HIT Cowork em Nuñez nos dias 13 e 14 de julho. De manhã, os participantes tiveram oficinas para fornecer ferramentas para contar histórias multimídia: aprenderam a fazer visualizações de dados com Tea Alberti e vídeos para redes sociais com Nathalia Restrepo. Para fazer jornalismo inclusivo, eles tiveram um workshop sobre o uso da linguagem inclusiva, de Ayelén Cisneros e Emilia Ruiz de Olano, e um workshop para aprender a usar a abordagem da publicidade para gerar conversas a partir da pesquisa que eles vão criar, por Flor Loda e Gretel Müller.

O objetivo da Mediatón era reunir mulheres de diferentes formações, lugares e idades para trabalhar com um objetivo comum: criar um projeto jornalístico multimídia e tornar visível um tema sub-representado na mídia.

“O Mediatón foi um ponto de encontro com outros colegas, e isso sempre é muito valioso, porque o jornalismo nem sempre é colaborativo, e acho que é aí que devemos apontar”, diz Guadalupe Sánchez Granel, editor do El Cronista Comercial, 29 anos. . Adorei a possibilidade de formar um grupo com garotas que eu nunca conhecia, que nunca havia visto em minha vida, de diferentes partes do país, e poder pensar em um projeto juntos, moldá-lo e colocá-lo em prática: não permanecer em um sonho mas realize.

Para mais da metade dos participantes, ou seja, 55%, o Mediatón foi sua primeira experiência em jornalismo colaborativo, de acordo com uma pesquisa realizada durante o segundo dia do encontro.

“Além do fato de os profissionais terem sido selecionados, quando estávamos sentados lá, a horizontalidade foi notada”, explica María Fernanda Rossi, emissora e jornalista de 41 anos de idade, que chegou de Rio Grande, na Terra do Fogo. “Em 20 anos trabalhando como jornalista, nunca havia realizado trabalhos colaborativos”, acrescenta ele sobre a experiência.

Para tornar o encontro mais federal, Chicas Poderosas ofereceu bolsas de estudo para que 16 mulheres de diferentes cidades pudessem fazer parte da Mediatón em Buenos Aires. “Foi uma experiência super enriquecedora, porque eu pude conhecer comunicadores e jornalistas de todo o país, com diferentes visões e trajetórias de carreira, e isso sempre abre sua mente e o inspira”, disse Samanta Leguizamón, que recebeu uma bolsa para viajar de San Salvador de Jujuy .

“Por experiência, pude compartilhar com tanto desejo de fazer, criar, mostrar e marcar um caminho para que as questões importantes para alcançar a sociedade eqüitativa que desejamos sejam visíveis”, disse Paola Albornoz, especialista em marketing venezuelano. Ele mora em Buenos Aires.

Além disso, procuramos dar visibilidade a problemas sociais que geralmente não têm espaço na mídia. Para inspirar os participantes, treze organizações que trabalham com questões sociais sub-representadas na mídia se aproximaram no primeiro dia para contar mais sobre um dos problemas em que trabalham, explicar sua importância e quais recursos de informação existem. A Anistia Internacional falou sobre povos indígenas e disputas territoriais; Qualquer um Argentina sobre a falta de uma lei de tamanho nacional; UNICEF Argentina sobre a importância da participação dos adolescentes; Zonas Húmidas Internacionais sobre a crise das zonas húmidas; INECIP sobre violência de gênero com armas de fogo; Projeto Mulher sobre saúde menstrual; UNFPA sobre o papel das parteiras na prevenção da mortalidade materna; Corpora em Libertad no LGTBQ + pessoas nas prisões; Doncel sobre a necessidade de implementar a lei da quitação; ELA sobre o direito de cuidar; Ativismo feminista digital sobre violência digital; ACNUR sobre a situação das pessoas que tiveram que fugir da Venezuela e a Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Livre na campanha Meninas Não-Mães.

“Ter esse espaço para refletir, aprender, compartilhar conhecimentos e experiências foi o que mais chamou minha atenção na Mediatón #EnResistencia. É assim que mudanças importantes podem realmente ser geradas ”,

disse Álvaro Serrano, consultor regional de comunicações para América Latina e Caribe, Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA).

“Penso que juntos podemos alcançar coisas incríveis e que é fundamental que todos saibamos lidar com os problemas que nos afetam de acordo e com o conhecimento”,

diz Camila Papa, da Anybody Argentina.

Durante o mês seguinte, os participantes continuaram trabalhando em projetos multimídia sobre questões sociais sub-representadas na mídia, juntamente com mentores. Os projetos serão publicados em 1º de setembro na mídia nacional e regional. Você pode lê-los em bit.ly/historiasenresistencia.

Este Mediathon foi possivel com o apoio de:


TAGS
RELATED POSTS
Donate
Choose Language
Follow Us
Search
Latest Tweets