Modelos de negócios inovadores para jornalismo independente brasileiro

Esta semana trazemos cenários reais de modelos de negócios de jornalismo independente brasileiro. Durante o New Ventures Lab, iniciamos uma discussão sobre formas diferentes e inovadoras de tornar a mídia independente sustentável. Nós trouxemos para a mesa exemplos surpreendentes no Brasil, como Brio, JOTA, Mamilos Podcast e Meio. Esses projetos colaborativos espetaculares, transfronteiriços demonstram como surfar as ondas turbulentas do empreendedorismo.

MAMILOS PODCAST – Eu lhe darei 20 horas do meu tempo se você me der uma hora.

Juliana Wallauer, co-fundadora do Mamilos Podcast

“Nós descobrimos que não estávamos sozinhos, que havia muitas pessoas que queriam um podcast como esse”, disse Juliana Wallauer, co-fundadora do podcast de Mamilos, quando começou sua apresentação. Toda sexta-feira, Juliana e Cris Bartis lançam um novo episódio de um dos podcasts mais ouvidos do Brasil.

Mamilos é um podcast que busca redes sociais para os temas mais discutidos ou controversos, como o aborto, relações não monógamas, nudez, suicídio. Os podcasts procuram diferentes ângulos, diferentes abordagens e diferentes opiniões com empatia, respeito, bom humor e tolerância, aprofundando a maneira como pensamos sobre o assunto. Atualmente, a dupla tem uma média de 50.000 ouvintes por semana. Alguns programas alcançaram picos de 63.000 visualizações.

Como eles fizeram o Mamilos sustentável desde 2014? Eles descobriram que não estavam sozinhos, que muitas pessoas estavam interessadas em um podcast como esse.

Sua renda veio primeiro da publicidade. A preocupação de Juliana era fazer um produto melhor e alcançar mais pessoas. Ela costumava trabalhar 10 horas por dia, mesmo durante os feriados, para construir publicidade. Em algum momento, isso mudou. Liderar esta dupla vida tornou-se muito difícil. Afinal, ela não podia esperar viver da publicidade sozinha. Assim, alguns meses atrás, a equipe Mamilos começou a pensar sobre o dinheiro de uma maneira diferente.

“Como jornalistas, somos apaixonados por fazer algo que as pessoas adoram. Não somos bons em levar algo que as pessoas amam e transformando em dinheiro. Sabemos que estamos empenhados em fazer um bom projeto. Mas uma vez que você é empreendedor, você tem que fazer tudo sozinho – seja o departamento comercial, departamento financeiro e diretor de contas, tudo em uma pessoa “, disse Juliana.

Eles trabalharam em um plano para aceitar dinheiro de diferentes lugares, sabendo que seu público queria oferecer suporte. Isso levou a eles a criar a primeira assinatura e newsletter, o que lhes permitiu desenvolver coisas especialmente para o público.

Eles também atraíam marcas que ficariam com o projeto para uma temporada completa, organizações que queriam fazer parte de certos tipos de iniciativas, como iniciativas centradas na mulher.

O seu conselho? Fale com pessoas que apreciam o seu trabalho porque são elas que vão fazer as coisas acontecerem. “Nós conseguimos, e então todos começaram a nos convidar para esse tipo de encontro onde os jornalistas se reúnem para fazer um novo jornalismo e torná-lo lucrativo”, disse Juliana.

JOTA – Se você não se concentrar em seu usuário, sua renda será 0.

Patricia Gomes apresentando JOTA

Patricia Gomes costumava ser repórter e editor criativo da EdSurge, onde escreveu, editou e experimentou jornalismo interativo. Antes de se juntar à EdSurge, obteve um mestrado em Media Strategy and Leadership na Northwestern University.

Então ela começou a JOTA, uma mídia especializada em notícias legais. “Começamos a ser mais intencionais sobre nossos produtos. Nós realmente sabemos como avaliar de forma precisa para tomar uma decisão melhor. É bom falhar rapidamente, mas se você não fizer isso como parte de um processo, você cometeu erros que você poderia evitar “, disse Paty.

Para Paty Gomez, gerente de produto da Jota, as assinaturas também são uma parte importante – talvez até metade – da equação de sustentabilidade. Os outros 50% são compostos por serviços para empresas.

“Eu acho otimista em relação ao jornalismo. É um ótimo momento para ser jornalista agora no Brasil. Pela primeira vez, acho que podemos combinar a tecnologia para facilitar, fazer algo para aprender mais sobre o nosso público, sobre o nosso produto, sobre o nosso desempenho, para tornar o nosso jornalismo melhor “, disse Paty.

BRIO – Você precisa saber quem você é

Breno Costa da BRIO

Breno Costa deseja que ele tenha aprendido mais cedo em sua carreira que não é impossível iniciar uma partida. “Não pense apenas no dinheiro. Você tem que entender como você vai fazer seu povo apaixonado por isso “, afirmou este brasileiro que encontrou a BRIO, uma plataforma jornalística que permite aos jornalistas produzir conteúdo original e financeiramente gratificante de forma autônoma, criativa, crítica e planejada.

Antes de criar seu próprio projeto, Breno passou seis anos trabalhando como jornalista na Folha de São Paulo, abrangendo o governo, a política, a economia e os tribunais.

Em operação por mais de um ano, a BRIO já possui jornalistas de 106 cidades de todo o Brasil, em sua base profissional e estudantil. Hoje, a BRIO mantém suas próprias receitas. Possui um modelo de negócios 100% independente, mas quer crescer e envolver outras marcas que compartilham os mesmos valores: criatividade, pensamento crítico, planejamento e autonomia.

Nem tudo começou tão bem. O dinheiro do investidor – que era parente de um dos parceiros – foi abatido e Breno estava no Rio tentando ganhar dinheiro. Como resultado, a moral da equipe foi danificada e enfrentaram uma luta financeira. “Eu tive a oportunidade de deixar esse sonho e retornar à sala de redação, mas eu continuei até conseguir isso. Um ano depois, com um ambiente mais inspirador, tenho a idéia de usar o jornalismo como uma ferramenta para jornalistas “, disse Breno.

Para fazer parte desta plataforma, você começa com um plano básico. Você recebe acesso total a um curso on-line com 16 horas de vídeos sobre como produzir relatórios de qualidade e quantidade e ter acesso a um banco de dados de repórteres talentosos de todo o Brasil. Qualquer iniciante ou repórter experiente, estudante ou mesmo um profissional de outra área que quer fazer jornalismo pode se inscrever para US $ 29.

Seu conselho: pense em definir sua personalidade, segmentar seu público. “Temos 48 mil novos jornalistas que se formam todos os anos no Brasil. É um número que pode visualizar o universo do mercado para entender o potencial volume de pessoas que queremos como clientes. Isso significa que em 5 anos, será 48 [48,000] x 5. Este é um número que esperamos multiplicar ao longo dos anos “.

MEIO – Posicionando no meio para conversar com todos e ouvir pessoas

Pedro Doria da Meio, sua newsletter independente

Pedro Doria nos conta tudo sobre Meio, seu boletim informativo independente

Para um jornalista com muitos anos de experiência em jornalismo como Pedro Doria, a primeira questão que você precisa perguntar é o que interessa e o que é importante?

Pedro foi editor executivo da Globo e editor-chefe de conteúdo digital do Estadão, bem como colunista da Folha de São Paulo. Em 2015, recebeu o Prêmio Comunicação do Melhor Jornalista Brasileiro de Tecnologia. Ele liderou a equipe que ganhou o Prêmio Esso para Melhor Contribuição para a Imprensa em 2012. Foi um membro do Jornalismo John S. Knight na Universidade de Stanford e também recebeu o Prêmio Social Caixa de Reportagem, o Prêmio Bobs da agência alemã Deutsche Welle e o prêmio Best Blogs Brasil na categoria política.

Quando ele decidiu criar Meio, o principal interesse era na política, digital – especialmente o tipo de coisas que afetam a vida diária – e o estilo de vida. Meio obteve seu nome porque a palavra em português significa meio, como no meio. “Não é que somos centristas”, disse Pedro. “Na verdade, não nos definimos ideologicamente. Mas estamos no meio no sentido de que podemos falar com todos e ouvir pessoas “.

Eles estão começando a falar sobre publicidade. Eles podem criar seções para empresas, adicionar espaço, publicidade e produtos personalizados, como boletins informativos personalizados. E, neste ponto, eles também estão indo para uma segunda rodada de investimentos.

“No final, o que estou constantemente preocupado com cada dia é, estou sendo justo com todos os leitores no respeito da maneira como eles vêem o mundo? Não estou ofendendo? “, Disse Pedro. “Estamos no meio de uma crise política muito séria no Brasil, desde 2013. É muito tempo! E, no final, o jornalismo é tão importante, é tão fundamental para a democracia. Você não pode fazer uma democracia funcionar se as pessoas não estiverem informadas. Se as pessoas não participam de conversas, se não houver debate. E o jornalismo, na maioria das democracias, está sob ataque “.

EVENTO DE CHICAS PODEROSAS: Fact Checking no Brasil

É em tempos de crise, como o que o Brasil está experimentando hoje, que as inovações emergem!

A missão de Chicas Poderosas é sobre inclusão, cidadania e gênero. Nos dias 8 e 9 de março, a Chicas Poderosas estará no Google Campus para reunir mentes criativas do jornalismo, design e tecnologia e repensar a política e a participação política no Brasil.

Ofereceremos treinamento de verificação de fato (verificando informações para verificar sua veracidade) com a Agência Lupa Educação e Chequeado da Argentina. Acompanharemos dados sobre eleições sexistas e inclusivas. O evento inclui palestras interativas centradas na campanha eleitoral brasileira, análise da participação das mulheres no processo eleitoral no Brasil e como a mídia cobre a participação ativa de mulheres e minorias na política. No terceiro dia do evento, haverá um Hackathon no espaço Nubank. Este espaço visa reunir profissionais de diferentes áreas do conhecimento para trabalhar em colaboração com os dados rastreados nos dias anteriores. A revista Época publicará a melhor história produzida a partir deste evento.

Este programa é possível no Brasil graças ao apoio do Google News Labs, que busca promover a diversidade e combater falsas notícias nas redacções. ‘Tamo juntos’, muito obrigado por fornecer essa experiência a tantas mulheres brasileiras.

Quer participar? CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO