Acelerador de 17 semanas America Latina Equador

Entrevista com ESPECIALES EDITORIALES #NVLChicas

By on February 17, 2018

Isabel Gonzales é colombiana, Cristina Arboleda equatoriana. Depois de passarem por grandes mídias, elas se conheceram e decidiram fazer jornalismo, mas com uma lógica diferente, falando sobre questões ainda secundárias nas salas de redação. Faz parte do projeto Editoriais Especiais, com o qual prometem histórias jornalísticas sobre gênero e desigualdade.

Cristina Arboleda e Isabel Gonzales de Editoriais Especiais, Equador

O jornalismo de gênero não é um jornalismo feito necessariamente por mulheres. É um jornalismo que trabalha na desigualdade que está ciente do que cada história implica para cada mulher e homem.

 

Os especiais editoriais abordam 4 tópicos:

 

Atualmente, o projeto funciona no Sentimos Diverso, mas elas estão procurando uma maneira de ter independência.

Qual é a melhor maneira de contar essas histórias?

Isabel Gonzales é Colombiana. Cristina Arboleda é Equatoriana.

Encontre um meio termo entre o ativismo e os interesses do público em geral. Nós experimentamos formatos como quadrinhos, dados visuais, jornalismo narrativo com uma linguagem comum para gerar empatia e tentando deixar as pessoas saberem o que essas questões significam sem que haja um viés.

 

Tentamos torná-los questões de interesse público, mobilizar pessoas e alertá-las para a necessidade de defender os direitos, com uma abordagem regional que inclui informações do Equador, Peru e Colômbia.

Como você acha que pode falar sobre essas questões sem colocar as pessoas em risco?Usamos ferramentas da antropologia para construir a confiança. Construímos um processo onde os tempos são diferentes e o tratamento das vítimas, do ativismo, é diferente. Evitando revitimização e construção de vínculos de confiança que permitem encadear todos os problemas e investigar.

Isabel Gonzales

 

Quão difícil ou fácil realizar-se no Equador?

É muito difícil. Aprendemos que há paredes muito altas. Se você é latino e também se você é mulher, as paredes parecem maiores. Pode não ser tão difícil, mas é uma questão de percepção.

Este tem sido o ano em que projetos de mulheres independentes no Equador começaram a surgir. É muito importante que se consolide para que outros se voltem para trás.

No contexto equatoriano, o jornalismo foi super censurado por 10 anos durante o governo de Rafael Correa. Há uma intenção de fazer um jornalismo com mais pesquisas, com menos medo de censura e que se mostre no meio ambiente, mas o que falta é uma rede para sustentá-lo.

 

Cristina Arboleda

O que você espera do New Ventures Lab?

Esperamos obter uma rede de suporte e aprender. Nós sempre confiamos muito no trabalho colaborativo. Queremos aprender ferramentas e conhecer seus limites. E acima de tudo,

Não ter medo de errar. Nunca tivemos a chance de soltar o medo.

Sem dúvida, isso tem a ver com ser mulheres. Para as mulheres sempre foi mais difícil, não porque não tenham talentos, mas porque a sociedade construiu paredes que são mais difíceis de pular. O mundo foi contado sem mulheres e nos acostumamos ao silêncio. Chegamos a procurar ajuda para falar sobre o que acontece com as mulheres.

TAGS
RELATED POSTS
Choose Language
Follow Us
Search
Latest Tweets