A importância de amar o que você faz e falar sobre isso

LIÇÕES APRENDIDAS COM:


PAULA MIRAGLIA – NEXO     BEBEL ABREU – BEBEL BOOKS      CRISTINA TARDÁGUILA – AGÊNCIA LUPA

O que a Paula Miraglia, co-fundadora da Nexo, Bebel Abreu, fundadora da Bebel Books e Cristina Tardáguila, diretora da Agência Lupa no Brasil, têm em comum? Essas três mulheres maravilhosas criaram seus próprios projetos independentes, navegando pelas ondas do mundo do empreendedorismo com uma enorme paixão pelo jornalismo e pela inovação. Hoje queremos compartilhar com vocês três histórias inspiradoras que revolucionaram a maneira de investigar e narrar, sem morrer na tentativa. Aqui, te contamos os seus maiores conselhos para você começar.

Mariana Santos – Chicas Poderosas, Paula Miraglia – Nexo, Bebel Abreu – Bebel Books, Cristina Tardaguila – Lupa

Um pouco menos de conversa, um pouco mais de ação.

Quando Paula Miraglia começou a testar sua própria mídia independente, um ano de planejamento já havia passado. Ela trabalhou com seus co-fundadores Renata Rizzi e Conrado Corselette e a equipe por três meses, incapaz de publicar. Primeiro, foi necessário encontrar a voz e a identidade do Nexo Jornal, o meio digital que procura oferecer aos seus leitores informações rigorosas e contextualizadas com foco original. Estes foram os dias de colocar todos os seus conhecimentos e paciência à prova. Hoje, esta equipe de 30 pessoas – incluindo jornalistas, desenvolvedores, designers e produtores que publicam infografia, relatórios, vídeos, pedaços de opinião e novidades – são vencedoras do prêmio de excelência em jornalismo online concedido pela Online News Association, na categoria de pequenas redacções

Para alcançar seu sonho, ela sabia que um produto bem definido era o seu melhor cartão de visita, especialmente em uma indústria onde as pessoas pensam e falam muito, mas fazem pouco. Como diz Paula,

Nós não vamos continuar falando. Queremos fazer

Desde 2015, eles conseguiram sustentar o meio com a forte participação de seus assinantes, uma audiência que, de acordo com a Paula, é muito qualificada e exigente. Não em vão, Nexo Jornal procurou maneiras de ser extremamente transparente com erros.

As pessoas apreciam esse detalhe e permitem que a crítica não venha com tanta agressividade

explica Paula, que atua como Diretora Geral da mídia.

A dica de Paula:

Tenha um equilíbrio entre trabalho e vida. «Quando começamos este projeto, fomos com muita paixão, mas temos que manter um espaço para nós mesmos. Nosso trabalho também exige criatividade, inspiração, sono e saúde «.

 

Se você não sabe, peça ajuda.

A melhor coisa que Cristina Tardáguila fez quando começou a Agencia Lupa, a primeira agência de verificação de fatos no Brasil, foi entender que sempre há necessidade de conselhos, seja de pessoas com quem o diálogo é feito como iguais ou grupos totalmente diferentes.

Se não tem diretor, investidor ou mesmo equipe para deslumbrar você tem que mostrar o projeto às pessoas

disse Cristina.

Reconhecer o que você não sabia também permitiu detectar fragilidades e fazer perguntas para gerenciar até o menor detalhe da LUPA. Quantas pessoas você tem em sua equipe?

Vamos publicar uma nota por mês ou uma por hora? Quanto custa o seu equipamento? Será todo o mundo freelancer? Você vai gastar um patrocínio nas redes sociais?

Iniciando seu próprio ambiente também envolveu saber como gerenciar e direcionar. Depois de trabalhar com a agência de notícias EFE e nos jornais O Globo, Folha de S.Paulo e a revista piauí, em 2016, ela começou a se familiarizar com o mundo dos negócios de um MBA em Marketing Digital e assim incorporar seu papel como uma mulher de negócios. Como Cristina compartilhou o primeiro dia do New Ventures Lab, «quem é responsável pelas grandes gerações do mundo são excelentes jornalistas …».

Aprender seu negócio e seu mercado foi um passo fundamental para entender dois problemas inerentes a um projeto de verificação de fato: polarização e ódio. Confrontar os poderosos teve um risco pessoal para ela e sua equipe, especialmente quando o ataque não é direcionado para a mensagem, mas para o mensageiro.

A dica de Cristina

Sinta e transforma o proto em algo seu. É importante escrever sua idéia e saber como funcioná-la para torná-la sua.

 

Um livro tem uma voz

Quando você publica está automaticamente se posicionando em alguma coisa

diz Bebel Abreu. Embora no Brasil exista uma enorme dificuldade na distribuição de livros, esta arquiteta e empreendedora conseguiu criar uma rede chamada Bebel Books que hoje possui mais de 15 publicações. A força de seu projeto consiste na conexão de ilustradores e artistas no Brasil e incentivá-los a publicar de forma independente.

Bebel books é um hobby, mas também é um trabalho. A beleza de ser independente é que é divertido e você não precisa dar satisfação a ninguém. Quando perguntado por que ela faz tudo isso, ela responde: porque é muito massa, a palavra brasileira para dizer que algo é incrível …

O amor ao trabalhar perto das pessoas também a levou a se afastar do digital e pensar sobre o manual.

As pessoas não podem ser se esquecer de fazer atividades manuais. A nossa vida está se tornando mais digital, ou é mais, mas em mais ou menos tempo, a globalização está acontecendo agora, ao invés de olhar muito local. São como pessoas com quem é lindo ter contato

Uma das últimas publicações, chamada É bom para o moral, foi criada em resposta à homofobia.

São três livros tirados de nus para fazer uma crítica do tabu sexual.

A dica de Bebel

Escreve como suas ideias. Não fique com elas na cabeça, enfrente os eventos. Incentive momentos divertidos para fazer risadas engraçadas.

 


Mentes brilhantes que inspiram o mundo do jornalismo

A primeira semana do NVL passou! Que melhor maneira de dar os primeiros passos para aprender com aqueles que têm anos de experiência? Nessa ocasião, fomos acompanhados por especialistas em jornalismo, empreendedorismo, inovação e negócios para trabalhar no desenvolvimento de um plano de equipe e modelos de negócios.

Queremos agradecer muito ao Google News Lab Brasil por ter aberto as portas de seus escritórios em São Paulo e Open Society Foundation por ser o melhor aliado da Chicas Poderosas no apoio a este programa.

Conheça nossos convidados de honra nesta primeira semana de #NVLChicas:

 

Cristina Tardáguila – Agência Lupa

Cristina Tardáguila nasceu em Belo Horizonte e cresceu no Rio de Janeiro. Graduou-se e pós-graduação em Jornalismo (da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Universidade Rey Juan Carlos em Madrid, Espanha). Completou um MBA em Marketing Digital da Fundação Getúlio Vargas em 2017. Desde novembro de 2015, dirigiu a Agência Lupa, a primeira agência de verificação de fato no Brasil. Em seu currículo como repórter e editor, ela acumula passagens nos jornais O Globo (Rio de Janeiro) e Folha de S.Paulo (São Paulo), bem como na revista Piauí. Cristina ainda é autora do livro «A arte do descaso» (Ed. Intrínseca), que conta a história do roubo principal de obras de arte no Brasil. Ela foi finalista no Prêmio Communicate 2017 na categoria Empreendedores e foi nomeada para o Prêmio Gabriel García Márquez 2017 na categoria de inovação. Apresentou dois TEDx sobre falsas notícias e verificações factuais.

 

Melissa Bell – Vox

Melissa Bell é a editora da Vox Media, a empresa de mídia moderna de mais rápido crescimento conhecida por sua excelente tecnologia, publicidade de alta fidelidade e redes editoriais que aprofundam os assuntos que a maioria das pessoas se apaixona. Ele é responsável pela estratégia editorial e desenvolvimento das redes da empresa, incluindo SB Nation, Eater, The Verge, Vox, Curbed, Recode, Racked e Polygon. Bell também é co-fundadora da Vox, a rede emblemática da Vox Media conhecida por explicar as novidades. Melissa foi nomeada uma das mulheres mais conectadas por Marie Claire, mulheres mais poderosas em Washington pelos Washingtonianos e uma das principais criadoras de mídia da Digiday.

Antes da Vox Media, Melissa supervisionava as plataformas digitais no Washington Post, onde também era uma das blogueiras mais lidas da The Post e uma colunista da seção Style. Antes de se juntar ao The Post, ele ajudou a lançar a Mint, uma afiliada do Wall Street Journal na Índia, onde viveu por quatro anos. Ela vem de San Diego, Califórnia e faz uma quesadilla de banana e queijo do melhor 🙂

 

Paula Miraglia – NEXO

Paula Miraglia é uma das co-fundadoras e diretora executiva do Nexo Jornal, uma nova empresa de notícias digital no Brasil, com sede em São Paulo. Paula é doutora em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP), onde também se formou em Ciências Sociais. Anteriormente, foi Diretora Geral do Centro Internacional para Prevenção do Crime – ICPC, com sede no Canadá, e Diretora Executiva do escritório brasileiro de ILANUD – Instituto Latino Americano das Nações Unidas. Ela também trabalhou como consultora do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

 

 

 

Barbara Fernandes – Paradigma

Barbara é apaixonada por tecnologia, startups, PM e cultura mundial. Nos anos anteriores, ele tem sido  mentora para startups e professora de MBA. Em 2017, ela foi mentora de negócios da Microsoft Imagine Cup e juiza do Startup Weekend Woman Recife em 2016. Trabalhou como executiva de TI em um complexo portfólio de projetos em diversas indústrias (consultoria, saúde, governo, indústria, telecomunicações, energia, engenharia, sem fins lucrativos, banco e mídia), com grandes orçamentos e vários sites de entrega. Teve a oportunidade de liderar as operações regionais e KPIs de portfólio, com uma equipe de +180 profissionais de TI. Também gerenciou o relacionamento com clientes e parceiros do nível C e trabalhou com planejamento estratégico e estratégia de negócios. Executiva de Negócios Internacionais, era responsável pelas Vendas, Operação e Avaliação para abrir mercados internacionais no México, Chile, Peru, Colômbia, Angola, Moçambique, Estados Unidos e Canadá. Também atuou no Conselho do PMI (Capítulo de Pernambuco) e em 2012 tornou-se Presidente.

 

 

Adriana do Ó – Novaerah Consult

Adriana é engenheira que trabalhou por quinze anos em planejamento estratégico, gerenciamento de orçamento e gerenciamento de riscos de processos. Ela trabalhou com o modelo de negócios da CANVAS como método e também é especialista em BSC – Balanced Scorecard, um método que traduz a estratégia em perspectivas. Ela era sócia da Impact HUB Recife, uma plataforma para o coworking e capacitação. Em 2015, fazia parte da equipe organizadora HUB Recife Startup Weekend Woman. Adriana trabalhou com a Economia colaborativa com a criação de parceiros para abordagens comuns em redes empresariais. Participante e Diretor da Rede Winspiration Women Empreendedores, Curadoria da narrativa na TEDx e patrocinadora e Mentor para implementar o negócio do primeiro lugar da Startup Weekend Change Makers em Pernambuco.

 

 

Karina Israel – YDreams Global

Com mais de 20 anos de experiência profissional, Karina Israel é uma das pioneiras no desenvolvimento da interatividade comercial no Brasil. Começou sua carreira na década de 1990 na MediaLab e dirigiu a produção em Ogilvy Interactive em São Paulo antes da partida para obter um mestrado em Ciência, Tecnologia e Sociedade na Universidade de Salamanca. Em Portugal, a executiva criou a divisão de publicidade da YDreams, pioneira no movimento Brand Experience no mundo, dirigindo as primeiras atividades interativas em tempo real em dispositivos móveis, outdoors e lojas de conceito ocidentais. Em 2006, realizou um curso de pós-graduação em Administração de Empresas pela Universidade Nova de Lisboa. Em 2010, ela retornou ao Brasil para assumir o gerenciamento executivo da YDreams no Brasil. Em 2012, completou uma pós-graduação na USP, em Cultura, Mídia e Informação. Em 2016, após uma oferta pública inicial no Canadá, sua empresa se torna a YDreams Global.

 

 

Juliana Wallauer –  Mamilos Podcast 

 

 

Ju Wallauer é planejadora de publicidade, apaixonada por marcas e conteúdo. Como planejadora, trabalhou por mais de 10 anos desenvolvendo estratégias para marcas como Bradesco, Unilever, Kraft, Mentos e CBF. Ela fazia parte da idealização e coordenação do festival SWU, uma plataforma para conectar pessoas e marcas com a sustentabilidade através da música. Com Cris Bartis ele criou Mamilos, um podcast que lida com temas complexos e controversos com empatia e respeito, usando ferramentas de comunicação não-violentas.

 

 

 

 

Bebel Abreu – Mandacaru Design & Bebel Books

 

 

Bebel Abreu é uma arquiteta, empresária e editora independente. Ela nasceu em João Pessoa e morou em Brasília e Vitória antes de chegar a São Paulo, em 2004. Lá ela dirige Mandacaru, parceiro brasileiro de What Design Can Do e produtor de exposições e conferências relacionadas às artes gráficas. Paralelamente, a Bebel fundou a Bebel Books, que publicou mais de 60 títulos em ilustração, caligrafia, fotografia e muito mais.

 

 

 

 

 

 

Pedro Doria – Meio

 

Pedro Doria, 43 anos, é jornalista, originário do Rio de Janeiro, Brasil. Ele é o fundador da startup Meio, um boletim diário sobre assuntos atuais. Foi editor-chefe de informática em O Estado de S. Paulo e editor executivo da O Globo, dois dos três maiores jornais do Brasil. Ele foi um Knight Scholar na Stanford University e Peter Jennings Scholar no National Constitution Center. Doria abordou assuntos internacionais, política e tecnologia e sua coluna semanal sobre a estratégia do Silicon Valley e o estilo de vida digital é desenvolvido em O Estado e O Globo. Ele também é um colunista do rádio CBN. Em 2012, ele liderou a equipe que ganhou o Prêmio Esso de Inovação em Jornalismo, o Pulitzer do Brasil, e foi escolhido como o melhor escritor de tecnologia de 2015. Doria também é autor de sete livros, os últimos três da história do Brasil. Ele é o pai de dois filhos e um adolescente.

 

 

Breno Costa -BRIO

 

 

Como repórter, trabalhou de 2008 a 2013 na Folha de S.Paulo, abrangendo questões de política, administração pública, assuntos orçamentários e também trabalhos de pesquisa com sede em Brasília, São Paulo e Belo Horizonte. Saí da redação para me dedicar completamente à criação do BRIO com seus primeiros co-fundadores. Breno foi responsável pela entrega do conteúdo antes do pivô do BRIO, quando ele costumava publicar longas histórias. Como repórter, Breno publicou trabalhos em The Intercept Brasil, Piauí, Superinteressante, entre outros.

 

 

 

 

Paty Gomes – Jota

 

Patricia é gerente de produto da JOTA. Anteriormente, ela era jornalista e editora criativa da EdSurge, onde escreve, edita e experimenta o jornalismo interativo. Antes de se juntar à EdSurge, obteve um mestrado em Media Strategy and Leadership na Northwestern University e recebeu o Harrington Memorial Digital Storytelling Award.

Paty é também embaixadora das Chicas Poderosas. Antes de chegar nos Estados Unidos, Paty fazia parte da equipe que fundou Porvir, o primeiro site de notícias sobre tecnologia educacional no Brasil. Ela também foi jornalista educacional e editora da Folha de S.Paulo, o maior jornal brasileiro.

 

 

Mariana Ribeiro – Nossas

Sua carreira como profissional no campo do impacto social começou em 2012, quando ele decidiu abandonar seu trabalho como gerente de marca no maior banco privado do Brasil para encontrar a Imagina na Copa, uma webserie focada em impacto social.

Por 2 anos, viajou pelo Brasil para documentar as histórias de jovens líderes sociais. Imagina na Copa lançou um total de 75 documentários curtos no YouTube e outros canais de mídia social. O projeto foi nomeado duas vezes para o World Summit Youth Awards.

No final de 2014, mudou-se para Nova York para trabalhar no Propósito. No papel de estrategista e ativista, conseguiu reunir experiência em narrativa e paixão para capacitar pessoas e organizações para mudar o mundo para melhor. Trabalhou com marcas corporativas, incluindo Unilever, Intel e Nike. Atualmente, trabalha como diretora de comunicações e projetos da Nossas, uma das principais organizações no campo da tecnologia cívica na América Latina. Na Nossas, usa tecnologia pioneira para fechar o fosso entre os cidadãos e os decisores políticos, dando-lhes a capacidade de influenciar os resultados políticos diretamente através de campanhas.

Mais recentemente, eles criaram um chatbot feminista chamado Beta, o que torna mais fácil para as mulheres brasileiras se mobilizarem em apoio à igualdade de gênero. Desde o início deste ano, 45 mil pessoas interagiram com Beta.