As novidades do segundo Design Sprint em Recife.

Nossa! O fim de semana de trabalho em Recife foi demais!

Nos dias 28 e 29 de outubro, Chicas Poderosas organizou seu segundo Design Sprint, desta vez na sede do Jornal do Commercio, em Recife (Brasil). Como parte do evento, 20 participantes aprenderam a aplicar Human Centered Design para desenvolver e promover seus próprios projetos independentes.

Estes treinamentos organizados pela Chicas Poderosas e com a orientação do IDEO procuram construir projetos jornalísticos que ofereçam soluções mais adaptadas às necessidades dos consumidores.

Conheça as participantes, os seus projectos, o que as motiva para fazer parte do Design Sprint e transformar o seu mundo. Para ver o momento a momento, segue a nossa conta no Instagram: https://www.instagram.com/poderosaschicas/

Você também tem uma ideia que quer acelerar? O New Ventures Lab, que é a aceleradora de projetos de comunicação das Chicas Poderosas está com inscrições abertas até 13 de novembro de 2017. Aqui está a sua oportunidade.

Se a vida é essa, vamos nessa!

Ana Addobbati / @aninhaaddobbati

Ana Addobbati é fundadora da Women Friendly, startup social que certifica e treina empresas para que combatam o assédio sexual em seus estabelecimentos. Acredita que a iniciativa privada também tem sua responsabilidade em criar um ambiente mais igualitário e seguro para as mulheres.

É mestre em Comunicação Corporativa pela IE Business School, Espanha. E tem dez anos de carreira no Brasil e outros países, em empresas como Natura, Rio 2016 e Alpargatas, também atuando como consultora para startups e mentora para empreendedoras sociais. É líder do cluster Alumni Nordeste da Brazilian Student Association (BRASA).

O que os motivou a participar no Design Sprint de Recife?

A possibilidade de tomar parte de uma metodologia inovadora de inovação e co-criação com o usuário no centro e fazendo uso eficiente das diferentes expertises e visões de negócio de um time empolgado. Sem dúvida, uma oportunidade única de refinar minha ideia de negócio e meu produto.

 Qual é a ideia / projeto que você quer trabalhar durante este Design Sprint?

A plataforma Women Friendly certifica estabelecimentos comerciais que estão comprometidos em combater o assédio sexual e garantir um ambiente de consumo seguro para a cliente. Oferecemos treinamento para a equipe que é ponto de contato e estabelecemos regras de comunicação interna para educar o público externo sobre o que é assédio sexual e informar que tais práticas não são aceitas naquele ambiente. A ideia é evoluir em breve para uma plataforma de e-learning para ganhar escala.

–  Cómo quer gerar transformaçoes no seu entorno depois de participar no Design Sprint ?

Acredito que oferecer um produto formatado pela perspectiva do usuário é a melhor forma de atingir os objetivos do negócio. Seja através de uma metodologia de ensino à equipe, que irá também se transformar como seres humanos ao entender o que é e por qué deve combater o assédio, seja atendendo melhor aos anseios da consumidora final, sem vitimizá-la, mas empoderando-a em seu direito de ir e vir em segurança.

Thais Queiroz / @Thais_Queiroz

Formada em Jornalismo pela Uninassau e em Letras pela UFPE. Está no mercado de trabalho desde 2007, quando estagiou em um projeto social dentro do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação. Seguiu carreira na assessoria de imprensa e desde 2016 pesquisa sobre o novo papel do jornalismo em tempos de informação rápida. Atualmente cursa pós-graduação em marketing digital na Estácio.  É diretora da empresa Legenda Comunicação, que oferece assessoria de imprensa, produção de conteúdo e endomarketing.

– O que a motivou a participar no Design Sprint de Recife?

Já conhecia o trabalho das Chicas Poderosas na busca pela igualdade de gênero em projetos de comunicação. E quando soube que as inscrições estariam abertas para Recife – dica preciosa dada pela colega Jéssica, que fez a edição Manaus – pensei: essa é a hora certa para mim, que sempre quis dar um passo além em meu trabalho, e com uma metodologia voltada para as mulheres, então, só tenho a ganhar.

 Qual é a ideia / projeto que você quer trabalhar durante este Design Sprint?

Estou em busca de novidades para minha empresa e pretendo focar em um trabalho que combine assessoria de imprensa e fact-checking.

–  Como quer gerar transformações no seu entorno depois de participar no Design Sprint ?

Quero utilizar os conhecimentos adquiridos para humanizar a comunicação entre empresas e a mídia. Esse seja mais um passo para a implementação da primeira agência de fact-checking do Recife, gerando mais uma mídia independente na região, e o que é melhor, com mulheres no comando.

Emidia Felipe

Jornalista com MBA em Marketing, Emídia Felipe já atuou em redações de jornais e em assessorias de comunicação no Rio Grande do Norte e em Pernambuco, como Tribuna do Norte (RN), Jornal do Commercio (PE), Petrobras (PE/PB) e Sesc (RN). Atualmente fornece treinamentos, consultoria de comunicação e conteúdo de texto na empresa que fundou, a EuEscrevo. Saiba mais: http://linkedin.com/in/emidia.​

Jessica Kianne / @jkianne


Jessica é formada em Design Gráfico pelo IFPB (Instituto Federal da Paraíba). Iniciou sua carreira em agências de publicidade, tendo a oportunidade de trabalhar com desenvolvimento de games e apps iOS. Possui grande entusiasmo para trabalhar com temas que envolvam visual design, ilustração digital, tecnologia ou quadrinhos. Teve oportunidade de publicar seu primeiro quadrinho no Zine XXX, editorial de cunho feminista organizado por jovens quadrinistas de todo Brasil. Interessada em Design Thinking e em soluções inventivas para resolução de problemas, se deparou com o Design Sprint recentemente. Acredita no poder do Design Social e no impacto do DCU como agente potencial de mudanças na sociedade. Atualmente trabalha como Consultora Junior e Designer de Experiência na ThoughtWorks Brasil.

O que a motivou a participar no Design Sprint de Recife?

Fiz um curso rápido de Design Thinking aqui aqui no Recife, daí passei a ficar muito interessada em processos inventivos para soluções de problemas. Me deparei com um vídeo do Jake Knapp e o John Zeratsky (GV) explicando o que era Design Sprint. Apesar de ter lido a respeito, nunca tive a chance de rodar os cinco dias. Penso que esse final de semana será uma boa oportunidade para tirar dúvidas e trocar conhecimento sobre as etapas existentes, expectativas e como otimizar tempo de pequisa, ideação, prototipação e iteração.

Qual é a ideia / projeto que você quer trabalhar durante este Design Sprint?

Ainda não possuo uma ideia lapidada, mas tenho como objetivo tocar temas como sexismo em ambiente de trabalho, mais especificamente no mundo de TI.

Cómo gerar transformaçoes no seu entorno depois de participar no Design Sprint?

Como já tinha mencionado antes, acredito no poder do Design Social, acredito que posso tentar aplicar o Design Sprint também para projetos que procurem minimizar a desigualdade social e económica da minha comunidade.

Carolina Nogueira

Carolina é jornalista e ilustradora. Tem mestrado em literatura pela Sorbonne, em Paris. Repórter política, há dez anos cobre o Congresso brasileiro para o canal público de televisão TV Câmara. Faz parte do grupo que pretende aumentar a inserção da TV Câmara nas redes sociais, tornando a discussão legislativa mais próxima da população brasileira.

Publicou os livros infantis A Rua de Todo Mundo e A História de Você. Escreve como freelancer para revistas no Brasil e, na França, colabora com a revista de crônicas e ilustrações Citrus. É cofundadora do Quadrado, uma revista eletrônica que discute a identidade urbana da capital do Brasil.

Maíra Brito

É roteirista de TV, jornalista e mestre em comunicação pela UPFE, com estudos sobre documentários brasileiros contemporâneos. Trabalhou como assessora de comunicação em organizações feministas do Fórum de Mulheres de Pernambuco. Em Brasília desde 2004, trabalha no mercado audiovisual, com experiência na produção executiva, coordenação de produção e roteirização de programas e documentários para TVs Públicas, em especial para a TV Câmara. Também orienta o desenvolvimento de projetos para documentários no MIRADOCS – Oficina de Argumento e Roteiro para Documentário. No cinema, faz parte da equipe dos documentários brasilienses “Lembranças” (sobre mulheres vítimas de violência e abuso sexual) e “Viola no Redemoinho” (sobre violeiros do Sertão do Urucuia – MG que contam sobre seus pactos feitos com o Diabo), ambos em andamento.

O que motivou vocês a participar do Design Sprint de Recife?

A busca por soluções para estimular os brasileiros a participar do processo democrático e legislativo. Queremos atrair pessoas para que gravem vídeos com opiniões, testemunhos e registros relacionados aos temas em discussão na Câmara. Esperamos no Design Sprint aprimorar nossas ideias e estratégias, testar o projeto, antecipar erros e desafios e ampliar o alcance das possíveis soluções.

Qual o projeto que você querem trabalhar durante este Design Sprint?

Queremos reunir vídeos gravados por cidadãos de todo o país, que contenham opiniões, testemunhos e registros relacionados aos temas em discussão na Câmara. Queremos assim estimular o cidadão a participar politicamente, bem como usar esse material nas audiências públicas e na produção de audiovisuais da TV Câmara.

Como gerar transformações no seu entorno depois de participar do Design Sprint?

Acreditamos no enorme potencial da TV Câmara enquanto instrumento de participação popular. Para isso, apostamos numa nova lógica de comunicação, em que TV deixa de ser apenas quem emite/transmite as informações, passando a assumir o papel de facilitadora na troca, no debate, na discussão entre cidadãos e o Legislativo. Se o projeto for bem-sucedido, julgamos ser possível legitimar e ampliar o alcance não só da comunicação legislativa, mas do próprio exercício legislativo em si.

Erickson Holanda

É Designer, formado na Universidade Federal de Pernambuco. Atua em design no mercado à 4 anos e vem estudando e tentando aplicar o design centrado no usuário a quase 2 anos para o meio digital. Ainda é um desafio para ele, então procura agregar conhecimento em todas as suas experiências.

O que o motivou a participar no Design Sprint de Recife?

Aprender novos conceitos e metodologias e como aplica-las no meio dia-a-dia, além de trocar uma idéia e conhecer novas pessoas que se interessem pelo assunto.

Qual é a ideia / projeto que você quer trabalhar durante este Design Sprint?

Não tenho uma idéia concretizada, apenas alguns insights mas espero sair de lá mais próximo disso.

Como quer gerar transformações no seu entorno depois de participar no Design Sprint?

Conseguindo passar meu aprendizado para outras pessoas e colocar em pauta novas idéias nas minhas rodas de discussão.

Juliana Santos

Produtora Audiovisual e Diretora de Arte. Atualmente é pós-graduanda no curso de especialização em Críticas Cinematográficas na Universidade Católica de Pernambuco. Iniciou sua trajetória profissional como produtora de objetos em curtas-metragens, publicidades e programas de TV como o curta-metragem L de Thais Fujinaga, Desafio da Beleza (GNT), Vivo Galã, entre outros. Recentemente, assinou como co-diretora de arte do longa-metragem documental “Em Nome da América” de Fernando Weller que circula nos festivais mais aclamados do pais, tais como 8º Cachoeira DOC, 41º Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e 19º Festival do Rio de Janeiro.

Minha motivação para participar do Design Sprint Recife é a troca de conhecimentos com mulheres interessadas em dialogar e criar estratégias juntas para liderar em um mercado que ainda oprime mulheres. Acredito que essa seja uma oportunidade tanto para ver com clareza meu plano de negócios quanto para aprender mais sobre o Human Centered Design, prática que procuro utilizar em todos os meus trabalhos.

Espero dessa experiência encontrar a melhor maneira para me posicionar no mercado com a minha empresa Mirah Studio e conseguir por meio do programa ampliar minha rede para possíveis parcerias.

Janaína Lima / @mia_comunicacao

Jornalista recifense, 42 anos. Trabalhou por 17 anos no Jornal do Commercio, atuando como repórter e editora de Cultura e Suplementos. Apresenta a coluna de turismo Portão de Embarque na Rádio Jornal. Há três anos, partiu para o empreendedorismo. Comanda a Mia Comunicação, que tem entre os clientes empresas de turismo, saúde, tecnologia, eventos culturais e o clube de futebol Náutico. Assessoria de comunicação, produção de conteúdo impresso e digital, RP e produção de eventos são as especialidades. Atualmente, está em fase de gestação de projeto em turismo.

O que o motivou a participar no Design Sprint de Recife?

A possibilidade de trocar experiências com outras pernambucanas empreendedoras e, principalmente, de conhecer, discutir e buscar inspiração para novas iniciativas em jornalismo digital. Conhecer as ferramentas e conceitos do Design Thinking.

Qual é a ideia / projeto que você quer trabalhar durante este Design Sprint?

O foco é o turismo. Quero desenvolver algo único, com foco em serviços e jornalismo. Acho que o Design Sprint pode me ajudar muito a amadurecer e conseguir direcionar minha ideia.

Como quer gerar transformações no seu entorno depois de participar no Design Sprint?

Essa é uma das coisas que busco descobrir no evento. A Mia tem uma mascote, a cadela Mia, adotada há quatro anos. Apoiamos iniciativas que incentivam a adoção de animais, fazendo assessoria de imprensa de eventos, por exemplo. Quem sabe fortalecer esse nicho?

Rayane Navarro

Está no último período do curso de Designer e tem um projeto de um aplicativo com outras meninas que procura empoderar as mulheres, através da informação e comunicação denunciando também casos de abuso.

Além de tornar mais real seu desejo de empoderamento o que a motiva é o aprendizado das técnicas.